domingo, 16 de novembro de 2008

Sobre o medo e a insegurança

Insegurança é um pau no cu. (me desculpem as bixas que gostam de pau no cu)
A minha insegurança é um saco, assim como a dos que me rodeiam.
Todos ficam com medo de alguma coisa que na maioria das vezes é inofensiva.

O medo é e foi essencial para a sobrevivência humana.
Nossos ancestrais mais medrosos levaram vantagem sobre os mais corajosos. Os últimos, se achavam implacáveis, iriam destruir qualquer bicho que aparecesse e a caça seria estupenda.
Os covardes não se arriscavam e não tinham uma caça-prêmio mas em troca garantiram sua vida.

Atualmente as pessoas não precisam caçar pra sobreviver e o medo termina sendo tão grande (de assalto, estupro, sequestro, perder o emprego, não ser aceito pela sociedade etc) que se torna um impecilho. Isso sem falar nos casos que ele se torna doença. (como o meu)

Meu medo patológico é apenas uma disfunção das minhas sinapses. Sabe a letra de basket case? "Some my mind plays tricks on me". É mais ou menos isso. Eu sentia (não sinto mais por causa do tratamento) medo em horas inadequadas, como no meio de uma aula. Minha respiração ficava mais rápida, meu coração acelerava, minha pressão baixava, eu achava que ia morrer. Mas isso é besteira.

O medo que realmente tem influência sobre nossas vidas é aquele que te impede de fazer coisas que você sabe que serão boas.
O medo que me impede de me entregar 100% a algo ou alguém.
Isso é estúpido!
Eu tenho que quebrar a cara, tenho que tentar mais de uma vez.
Tenho que me mostrar disponível ou totalmente indisponível por mergulhar de cabeça.

Insegurança é o medo antecipado adicionado de covardia.
É ansiedade e pessimismo. Marcas minhas.

Escrevo aqui sobre isso porque espero que de alguma forma meu inconsciente absorva tudo e fique logo são.

2 comentários:

Abelardo disse...

você tá passando por uma situação de extremo teste de seus nervos, é bem normal - sendo crônico ou não - ter medo, insegurança, dúvidas etc, quando você é um adolescente prestes a se tornar um adulto com mil coisas pra enfiar na cabeça à uma semana da prova que deve decidir o seu futuro. Sem contar com outras influências como os amores alheios, a família e as (in)satisfações pessoais. Todo mundo passa por isso e o nosso corpo responde da forma que pode, veja o meu caso de estresse :T

Felizmente essas coisas todas passam se a gente quiser, vamos aprendendo com os erros e acertos.

Fora isso, eu fico me perguntando se assalto, estupro, sequestro, emprego, aceitação da sociedade etc não são também formas de caça referentes à atualidade.

P.S.: o título fui eu quem fiz no paint :D

Uana Mahin disse...

medo que dá medo do medo que dá.