sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Saudade

A saudade me enganou
ela disse que vinha
que dava uma passada
bem rapidinho

Mas ela mentiu
chegou de fininho
Disse oi devagarzinho
e ficou
(...)

Se eu dissesse o que sinto
Se contasse a verdade
Ninguém acreditaria

Se eu tornasse pública
a minha vontade
levaria patada

Se eu contar a todo mundo
que a minha mente
enganou meu coração
levo tapa, pitaco, sermão

Só conto com a saudade
que ficou mais tempo
e vai ficando...

2 comentários:

Carlos L. R. disse...

é sempre assim.... ela faz sempre assim.

Anie disse...

mente e coração deviam andar sempre alinhados, mas isso quase nunca acontece, não é mesmo? O problema é a gente decidir quem quer ouvir primeiro, mente ou coração?



PS: se você tivesse idéia do quanto suas poesias 'tocam', já teria escrito um livro.